Vinhos Certificados dos Açores by CVRAçores

DO - Graciosa

Ilha Graciosa


DOP - Graciosa
Denominação de Origem Protegida - Graciosa
Decreto-lei n.º17/94 de 25 de Janeiro

DOC - Graciosa
Denominação de Origem Controlada - Graciosa
Portaria n.º 34/2012 de 12 de Março
graciosa.svg

Área geográfica

No Município de Santa Cruz, a freguesia com o mesmo nome e as de Guadalupe, Praia e Luz. Em áreas de altitude igual ou inferior a 150 m.

Solos

Pardo ândicos, normais e pouco espessos, e solos rególicos derivados de rochas basálticas ou de materiais piroclásticos assentes sobre rocha basáltica a pouca profundidade.

Castas recomendadas

Verdelho, Arinto dos Açores, Terrantês do Pico, Boal e Fernão Pires.

 

DOP

Denominação de Origem Protegida

Reconhecimento: É reconhecida a DOP - Graciosa para a produção de Vinhos Licorosos e Vinhos Espumantes.

Área geográfica: No município de Santa Cruz, a freguesia do mesmo nome e as de Guadalupe, Praia e Luz, em áreas de altitude igual, ou inferior, a 150 m.

Solos: Pardo ândicos, normais e pouco espessos, e solos rególicos derivados de rochas basálticas, ou de materiais piroclásticos assentes sobre rocha basáltica a pouca profundidade.

Castas recomendadas: Verdelho, Arinto dos Açores e Terrantez do Pico, Boal e Fernão Pires;

Castas autorizadas: Malvasia, Sercial, Generosa, Seara Nova, Rio Grande e Bical.

Rendimento máximo por hectare: 70 hl.

Título alcoométrico volúmico natural em potência dos mostos: no mínimo 10 % vol..

Estágio: mínimo de nove meses.

Título alcoométrico volúmico total dos vinhos: igual ou superior a 10,5 % vol..

Características organolépticas dos vinhos: Vinhos brancos de grande qualidade, leves, frescos, secos e bastante frutados.

 

 

DOC

Denominação de Origem Controlada

 

Reconhecimento: É reconhecida a DOC - Graciosa para a produção de Vinhos Licorosos e Vinhos Espumantes.

Área geográfica: No município de Santa Cruz, a freguesia do mesmo nome e as de Guadalupe, Praia e Luz, em áreas de altitude igual, ou inferior, a 150 m.

Solos: Pardo ândicos, normais e pouco espessos, e solos rególicos derivados de rochas basálticas, ou de materiais piroclásticos assentes sobre rocha basáltica a pouca profundidade.

Castas: Pelo menos 80% do volume total do mosto deve provir das castas Arinto dos Açores, Terrantez do Pico e Verdelho.

O remanescente do volume total do mosto, pode provir das seguintes castas: Arinto, Chardonnay, Fernão Pires, Galego Dourado, Generosa, Gouveio, Malvasia, Malvasia Fina, Moscatel Galego Branco, Moscatel Graúdo, Rio Grande, Seara Nova, Sercial e Viosinho.

Rendimento máximo por hectare: 50 hl para vinhos licorosos e 70 hl para vinhos espumantes.

Características dos produtos:

Os mostos destinados aos vinhos licorosos devem ter um título alcoométrico volúmico em potência mínimo natural de 12 % vol.

Os mostos destinados aos vinhos base para espumante devem ter um título alcoométrico volúmico em potência mínimo natural de 10 % vol.

Os vinhos de licorosos devem apresentar um título alcoométrico volúmico total não inferior a 16 % vol.

Os vinhos espumantes devem apresentar um título alcoométrico volúmico total não inferior a 11,5 %.

Estágio: Os vinhos licorosos só podem ser engarrafados após estágio mínimo de vinte e quatro meses